Aufrufe
vor 4 Jahren

ONELIFE #34 – Brazilian Portuguese

  • Text
  • Jaguar
  • Onelife
  • Rover
  • Land
  • Rover
  • Velar
  • Tecnologia
  • Bonanza
Land Rover steht für höchste Allradkompetenz, umfassenden Komfort und anspruchsvolle Technik. Diesem Geländewagen ist kein Weg zu weit und keine Aufgabe zu schwer – getreu dem Slogan „Above and Beyond“. ONELIFE vermittelt Land Rover-Kunden genau dieses Gefühl von Abenteuer und Freiheit.

40 Completamente focado:

40 Completamente focado: o chefe e skipper da Equipe Land Rover BAR Sir Ben Ainslie trabalha em estreita colaboração com a tripulação para tomar decisões em frações de segundos visando a vitória na água

TRABALHO DE EQUIPE 25 500 QUILOS P E S O M É D I O L E V A N T A D O P O R U M V E L E J A D O R N U M A SEMANA ATÉ 35 000 KCAL/ S E M A N A GASTO POR PESSOA C O M O T R E I N A M E N T O F Í S I C O E V E L A momentos de aterrissagem, quando a velocidade cai dramaticamente, podem significar entregar a vitória ao adversário. A tarefa de Williams é garantir que a sua equipe de 12 velejadores esteja em tão boa forma ou melhor do que a dos colegas das outras cinco equipes. Além de cinco ou seis horas na água durante um dia típico de treinos e testes, os atletas também realizam entre 12 e 15 horas de treinamento completo na academia a cada semana. “A missão na academia é conseguir atletas em forma e saudáveis”, diz Williams. “Quanto mais em forma, mais saudáveis, melhor hidratados e nutridos eu conseguir que os atletas estejam, melhor eles estarão emocionalmente, fisicamente e taticamente. Eles estão sob pressão física e mental, então a minha função é garantir que eles aguentem essa pressão”. Giles Scott deve conseguir aguentar a pressão. Este gigante de 1,98 m é um atleta extremamente talentoso e dotado que dominou a classe Finn individual e conquistou o ouro olímpico na Rio 2016 no verão passado. A classe Finn é extremamente física, portanto Scott está acostumado a lidar com a dor, embora agora a dor seja num lugar diferente. “Para mim, pessoalmente, passou de ser muito dominado pelas pernas na classe Finn para muito dominado pelo tronco. Quer dizer, estas embarcações são muito mais exigentes fisicamente do que quaisquer outras, sem dúvida. Obviamente, tivemos de elevar o patamar, e a forma como estamos treinando é bastante implacável”. Com este esforço enorme para criar verdadeiras máquinas de energia que essencialmente giram as manivelas o mais arduamente que podem, eu me pergunto porque a Land Rover BAR não recrutou fora do mundo da vela, em esportes de força como por exemplo o remo ou a canoagem. “Porque eles não sabem velejar, Andy!” grita Scott, parecendo que já respondeu a esta pergunta vezes demais. Atualmente, como menciona Williams, no início da campanha, há uns anos, a Land Rover BAR chegou a experimentar alguns especialistas não velejadores, mas concluiu que a curva de aprendizagem para dominar este esporte complexo era longa demais. O colega de Scott, Nick Hutton, partilha dessa opinião sobre as competências importantes na vela: “É entender as coisas de que não se fala, as coisas que sabemos instintivamente que vão acontecer porque já as fizemos tantas vezes antes. E se alguma coisa imprevista acontecer ou se algo piorar ou correr mal, sabemos exatamente o que fazer sem ter de pensar a respeito. Com estas embarcações tão rápidas, se tivermos de pensar, será tarde demais”. Pensar rápido, pensar sob pressão, é vital. Além de girar as manivelas para fornecer energia ao sistema, a função de Hutton é controlar os hidrofólios mediante botões. E ele precisa ter a cabeça fria para fazer isso corretamente. Se cometer qualquer erro, a embarcação pode abater sobre a água e fim da história. Como técnico que dá as ordens durante a prova, a atenção de Scott também se divide entre a tarefa física de operar os guinchos e a estratégia mental para ultrapassar o adversário e passar as decisões vencedoras ao chefe da equipe que manobra o leme lá atrás, Sir Ben Ainslie. “De certa forma é um exercício de equilíbrio”, diz Scott. “Há momentos em que estou completamente de cabeça baixa porque a prioridade é fornecer energia aos sistemas e garantir que a gente consiga fazer mover a embarcação quando chegamos lá, o aparelho e as velas para dentro e para fora. Depois, há outros momentos em que diminuo um pouco e deixo que os outros rapazes assumam a maior parte do trabalho físico e olho em volta para garantir que estamos na direção certa”. Até o forte Scott estremece com a perspectiva da tortura que Williams lhes reserva para esta tarde em particular, na sua base nas Bermudas. “Vendo o que está escrito neste quadro branco e os resultados que temos que alcançar numa hora, a ideia de termos de fazer isso esta tarde é um pouco assustadora, confesso”. O antigo lema militar, ‘Treinamento difícil, combate fácil’, vem à memória. Com a diferença de que, se o treinamento parece difícil, a batalha para conquista a taça é ainda muito mais difícil. Afinal, a Grã-Bretanha vem tentando conquistar este troféu sem sucesso desde 1851. Essa é a história, a motivação que faz a tripulação da Land Rover BAR trabalhar quase até a exaustão no seu brutal, mas necessário, programa de treinamento. 41