Aufrufe
vor 3 Jahren

Jaguar Magazine 03/017 – Brazilian Portuguese

  • Text
  • Jaguar
  • Carro
  • Linha
  • Melhor
  • Anos
  • Corrida
  • Carros
  • Mundo
  • Cidade
  • Nova
Wir geben Gas! In London sorgt Automobiljournalist Guy Bird im brandneuen E-PACE für Aufsehen und zeigt uns ganz nebenbei nahezu unentdeckte Tipps in der britischem Hauptstadt – seiner Heimat. Warum sich der Jaguar XE bestens als Grundlage für den leistungsstärksten Jaguar mit Straßenzulassung aller Zeiten – den XE SV Project 8 – geeignet hat, hat uns David Pook erklärt, Leiter der Special Vehicle Operations bei Jaguar Land Rover. Lesen Sie mehr in der aktuellen Ausgabe THE JAGUAR 03. 

MACH 2 O elegante nariz

MACH 2 O elegante nariz do Concorde foi projetado para inclinar-se permitindo que os pilotos visualizem a pista na decolagem e no pouso FOTOGRAFIA: UNITED ARCHIVES / IMAGO 66 THE JAGUAR

EMOÇÃO SUPERSÔNICA POR 28 ANOS O CONCORDE DESAFIOU O RELÓGIO SUPERANDO A VELOCIDADE DO SOM E POUSANDO EM SEU DESTINO ANTES DE DECOLAR. A START-UP AMERICANA BOOM TECHNOLOGY ACREDITA QUE O MUNDO ESTÁ PRONTO PARA VOLTAR À VIAGEM NO TEMPO TEXTO: Paul Entwistle Uma das aeronaves civis mais bonitas e sem dúvida uma das mais potentes já construídas voou pela primeira vez em 2 de março de 1969. Desenvolvido em conjunto pela Grã Bretanha e França, o Concorde era uma obra prima da tecnologia e do design. Ele revolucionou o transporte aéreo da noite para o dia, reduzindo pela metade o tempo entre a Europa e a América do Norte. O Concorde começou a operar em janeiro de 1976. Com a capacidade de manter o voo supersônico, ele cruzava os ares a 2.170 km/h (mais do que o dobro da velocidade do som) em altitudes próximas à estratosfera. A operação do Concorde era cara, uma crítica que seus adeptos negam veementemente, argumentando que nos últimos meses de operação do Concorde, a British Airways estava na verdade lucrando com sua frota de aviões comerciais supersônicos. E mais, nos anos iniciais do século XXI, uma aeronave que consumia uma tonelada de combustível para cada um de seus 128 passageiros que cruzavam o Atlântico não era considerada ecologicamente correta nem era de fato economicamente viável. Na última década e meia a viagem aérea supersônica não estava mais à disposição dos passageiros. Em uma época em que os aviões comerciais se parecem com ônibus e apresentam modelos muito similares, não importa onde sejam construídos, a combinação exclusiva de força e graça que era o Concorde está fazendo falta em nossos céus. Não por muito tempo. Desde que o Concorde operou pela última vez em 2003, restou aos passageiros a mono- THE JAGUAR 67