Aufrufe
vor 3 Jahren

Jaguar Magazine 02/2017 – Brazilian Portuguese

  • Text
  • Jaguar
  • Carro
  • Corrida
  • Anos
  • Assim
  • Mundo
  • Carros
  • Pilotos
  • Equipe
  • Pista
Das neue Jaguar Magazin präsentiert den neuen Jaguar E-PACE, blickt hinter die Kulissen der spektakulären Formel E und spricht mit Uhrengenie Jean-Claude Biver darüber, wie es ihm gelingt immer am Puls der Zeit zu bleiben. Lesen Sie rein in die neue Ausgabe THE JAGUAR 02.

“O RELÓGIO DEVE TER

“O RELÓGIO DEVE TER APELO SEXUAL” TAG HEUER MODULAR 45 treinamento está apenas começando, mas também estou cuidando de vários outros projetos. O TAG HEUER MODULAR 45 é o sucessor do primeiro relógio inteligente da marca suíça, o TAG Heuer Connected, lançado em 2015. Baseado no sucesso da primeira incursão do grupo no mercado de relógios inteligentes e considerado como uma das jogadas mais ousadas do Sr. Biver até o momento, o Modular 45 tem 45 mm de largura e 13,75 mm de espessura e é constituído por vários componentes intercambiáveis, como caixas, pulseiras, abas e bezéis, que possibilitam uma variedade praticamente ilimitada de personalizações. Projetado e fabricado com materiais de alta qualidade nas novas unidades de produção da TAG Heuer em La Chaux-de-Fonds, o relógio carrega o mesmo selo de qualidade dos relógios mecânicos da empresa, indicando a procedência suíça. Voltado para o mercado de luxo, o relógio tem as mesmas funções que outros relógios inteligentes, inclusive um processador Intel Atom Z34XX, 512 MB de memória principal e 4 GB de armazenamento. Compatível com Android e iOS e à prova d’água a 50 metros de profundidade, o relógio conta com um acelerômetro, giroscópio, sensor para detecção de inclinação, microfone, mecanismo tátil/vibracional, sensor de luz ambiente, GPS e sensores NFC de pagamento para pagamentos wireless. Você já desempenhou quase todas as funções possíveis no setor relojoeiro e é um milionário que se fez sozinho. A maioria das pessoas da sua idade estaria pensando em se aposentar. O que o leva a continuar trabalhando? Não é uma questão de ego, nem de realização pessoal; já “consertei” quatro marcas de relógio. Também não faço isso por dinheiro desde que a minha família esteja bem, eu não me importo. É a paixão que eu tenho pelo trabalho. Para mim, é uma expressão de amor isso me mantém acordado, dá energia, enche de otimismo, proporciona visão e me mantém em contato com muita gente. Esse amor cativa as pessoas e elas retribuem generosamente. Se eu me aposentasse, perderia tudo isso e viraria as costas para essas pessoas. Por isso, ainda não quero parar. Você foi inovador durante esse tempo todo, toda a sua carreira. De onde vêm as novas ideias e a inspiração? É algo quase subliminar as ideias surgem quando estou comendo ou esquiando. Tenho um bom faro para tendências e me inspiro facilmente quando estou em cidades que ditam tendências, como Londres, Tóquio, Nova York e Berlim. Há doze anos, notei que estavam vendendo relógios pretos de plástico no Japão e tive a ideia de desenvolver um relógio preto de cerâmica, que se tornou o Hublot Big Bang All Black. Depois disso, várias marcas de relógio fizeram a mesma coisa. Houve algo semelhante em relação aos meus relógios em cores fluorescentes, que fizeram parte da nossa linha durante três anos. As cores neon foram uma tendência da década de 1980 que tinha saído de moda. 44 THE JAGUAR

ENTREVISTA O novo TAG Heuer Modular 45 é a tentativa mais recente de Biver de revolucionar o difícil mercado de relógios. O conceito tem um toque de luxo, que normalmente não está associado a relógios digitais. Várias marcas de luxo empregam pessoas para conhecer as últimas tendências, mas você não faz isso. De que forma você acompanha tendências como essas para saber o que faz (ou não faz) sucesso? Na verdade, meu filho mais novo é meu scouter de tendências. Ele tem 17 anos e pode me ensinar muita coisa, acredito que não tenho nada a aprender com os mais velhos. Com meu filho, aprendo muito sobre marcas de que nunca ouvi falar. Costumamos viajar para descobrir marcas foi assim que conheci a Palace, a Supreme e a Off White. Depois que a Supreme se uniu à Louis Vuitton, meu filho me deu uma bronca, dizendo: “Faz três anos que estou dizendo que a TAG Heuer e a Supreme deveriam se unir, mas a Vuitton foi mais esperta que vocês. Que vacilo! Vocês poderiam ter tomado essa atitude antes dela.” Aconteceu a mesma coisa em relação ao rapper A$AP Rocky, que agora trabalha com a Dior. Alec Monopoly, Bella Hadid e Cara Delevingne foram ideias dele, e agora são embaixadores da marca TAG Heuer. Você também assumiu um novo cargo na Zenith. Assim como muitas outras marcas suíças de relógio, a Zenith enfrentou desafios nos últimos anos. O que você pode fazer para superá-los? Primeiramente, analisarei todos os aspectos do negócio e ouviremos o que cada funcionário tem a dizer. De vez em quando, passo a noite na empresa para entender realmente o que torna a produção tão especial. Estamos criando obras de arte que duram uma eternidade. É a arte da relojoaria. Entretanto, não podemos permitir que se torne um museu; precisamos progredir continuamente. É por isso que o novo calibre da Zenith, capaz de medir com uma precisão de centésimos de segundo e dotado de duas bobinas de carbono patenteadas, recebeu o nome “Defy El Primero 21”, lançando um desafio ao século XXI. A criatividade e a qualidade, aliadas à tradição e à cultura, são as melhores embaixadoras da Zenith. Isso nunca vai mudar e é uma verdadeira história de sucesso, assim como as parcerias inteligentes, como a nossa colaboração com a Range Rover. Isso reflete o seu famoso ditado: “o relógio deve ter personalidade”. O que isso significa? Todo relógio deve ter apelo sexual e uma alma criada e transmitida pelo relojoeiro. O relógio é como um talismã: Sempre uso meu primeiro All Black e estou convicto de que ele é meu talismã. Falando nisso, os carros são criados da mesma forma. Qual é a finalidade de um carro? A experiência de dirigir deve ir além de um simples transporte. Já tive um Jaguar E-Type 1966 com motor de 4,2 litros. O cheiro dos bancos de couro, o ruído prazeroso das portas fechando, o som do motor tudo isso cria um sentido de ocasião bem específico. Eu prefiro carros que exalam tradição e foram criados por artesãos. Isso é o que dá alma a eles. Para terminar: você disse que cuidar da Zenith será o seu último trabalho de grande relevância. Apesar disso, nesta conversa, tenho a impressão de que não será. Afinal de contas, existe um próximo passo neste ramo para você? A Zenith será a quarta grande marca de relógio que eu comandarei na minha carreira e acredito que será a última. Entretanto, provavelmente, verei o que o futuro irá trazer e, em seguida, posso me preparar para desacelerar quando chegar aos 75 anos. Mas enfatizo que isso é apenas uma possibilidade. THE JAGUAR 45